Realcam sexy

03 Apr

Eu e minha esposa temos um relacionamento ótimo em todos os sentidos. Sempre fomos super ativos em relação a sexo, pra ser sincero, somos bem safados mesmo!De um ano pra cá, começamos a nos interessar sobre transarmos com um homem.Adorei a fantasia com o apelido de “meu corninho”, essa eu nunca tinha visto, rsrs!Acho que se alguém gostasse dessa ideia e chamasse o marido de corninho iria ter sérios problemas em casa! Enfim, brincadeirinhas a parte e pensando bem sobre esse seu caso, talvez o fato de você ter a fantasia na mente não quer dizer que você a queira na prática (ainda que pense que sim! Você já parou para pensar em quantas vezes a gente fala que faria uma coisa, as vezes até “morre” tentando fazer, e quando chega na hora H nos decepcionamos e até mesmo nem fazemos o que jurávamos que iriamos ser capazes de fazer?!Publicado em: arte visual, foto arte, textos com fotos | Marcado:artigos, ética, clark little, contos, crítica, crítica literária, democracia, diversidade, economia, economia política, educação, filosofia, foto arte, jb vidal, literatura, literatura brasileira, literatura portuguesa, meio ambiente, mitologia grega, poemas, poesia, política, psicanálise, psicologia, socialismo, sociologia Publicado em: poemas | Marcado:artigos, ética, contos, crítica, crítica literária, democracia, diversidade, economia, economia política, educação, filosofia, foto arte, jb vidal, joão batista do lago, literatura, literatura brasileira, literatura portuguesa, meio ambiente, mitologia grega, poemas, poesia, política, psicanálise, psicologia, socialismo, sociologia COPYRIGHT© É proibida a reprodução, total ou parcial, de qualquer forma ou por qualquer meio, deste website.

“Não existe para mim aquela sensação de encarar o trabalho como uma obrigação.”O fotógrafo conta que para obter as melhores imagens, ele utiliza uma câmera capaz de obter até dez fotos por segundo.Na verdade, isso pode até ser um “chamado do universo” para dizer que você não deve ir (pelo menos não por agora) – nunca se sabe e é sempre bom parar para pensar nas mensagens que esse mundão nos manda (parece brega e coisa de gente doida, mas é sempre bom considerar tudo)!De qualquer forma, essa ideia do swing me parece muito boa, primeiro porque lá vocês não são obrigados a fazer nada que não queiram (pelo menos não era para ser essa a ideia), e depois porque pode acabar sendo uma forma natural para ver se quem sabe algum desejo maior “brota”, e vocês enfim possam realizar o objetivo tão esperado.Publicado em: poemas | Marcado:artigos, ética, contos, crítica, crítica literária, democracia, diversidade, economia, economia política, educação, filosofia, foto arte, jb vidal, literatura, literatura brasileira, literatura portuguesa, meio ambiente, mitologia grega, poemas, poesia, política, psicanálise, psicologia, socialismo, sociologia Tenho que me entender Com o vago, o vazio, o nada, . Um país onde as leis são descartáveis; Por ausência de códigos corretos; Com noventa milhões de analfabetos; E multidão maior de miseráveis; Um país onde os homens confiáveis não têm voz, Não têm vez, Nem diretriz; Mas corruptos têm voz, Têm vez, Têm bis, E o respaldo de um estímulo incomum; Pode ser o país de qualquer um; Mas não é, com certeza, o meu país. Sem esse aprofundamento É impossível colher o sumo . Um país que crianças elimina; E não ouve o clamor dos esquecidos; Onde nunca os humildes são ouvidos; E uma elite sem Deus é que domina; Que permite um estupro em cada esquina; E a certeza da dúvida infeliz; Onde quem tem razão passa a servis; E maltratam o negro e a mulher; Pode ser o país de quem quiser; Mas não é, com certeza, o meu país.